quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

2011

Faltam três dias para o ano acabar. Eu deveria estar exalando inspiração, declamando minha retrospectiva de 2011 e fazendo planos para 2012. Mas por algum motivo, isso não acontece... A chuva trouxe uma noite amena e o fogo ribeirãopretano pareceu apagar. O que também não me ajuda a escrever o último post do ano... Eu não esperava nem mais nem menos de 2011. O que eu esperava era simplesmente, diferente. A verdade é que expectativa é uma grande roubada e do destino não sabemos o que querer nem esperar. Assim, agradeço o ano que passou e aguardo ansiosamente o que o tempo trará. Coisas boas virão, notícias ruins também chegarão, decepções baterão à porta, sorrisos florescerão. Afinal, vida é isso e vestir uma calcinha amarela no reveillon não significa grande coisa, mas pensar em todas as cores da aquarela ao longo dos 366 dias que virão, ah, isso sim faz toda a diferença. A vida é cheia de surpresas! Sendo assim, adeus, meu bom 2011 e surpreenda-me, 2012. As boas lembranças para sempre existirão! E a esperança para as próximas jamais morrerão! Um novo capítulo se inicia e agradeço o apoio de vocês, meus poucos leitores. Não tenham dúvidas de que tudo vale muito a pena quando a alma não é pequena, já disseram por aí... Um feliz Ano Novo! A gente se vê por aqui!

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Ho Ho Ho...

Acabei de dizer tchau para o Papai Noel! Neste momento puxei a poltrona e me sentei de frente à sacada, de onde vem um vento um pouco mais fresco nesta Califórnia brasileira que parece pegar fogo. E o seu Natal? O meu foi mais triste. A mesa estava menor. Senti saudades daqueles que se foram, deles e dos tempos que também não mais voltarão. Pensei sobre o futuro e temi uma mesa cada vez mais farta mas mais vazia e um coração cada vez mais calejado. Lágrimas que talvez ao longo do tempo secarão... Mas percebi que isso é vida e que continuamos aqui, família, amigos, vontade e esperança, sempre ansiando a próxima festa e fazendo os mais sinceros votos de felicidade para o ano novo que se aproxima. A data não me inspirou para uma crônica, só para desejar o impossível, comer exagerado, abraçar bem abraçado, agradecer o realizado e sonhar o inesperado. Já valeu a pena. Feliz Natal! Ho ho ho...

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

O ano não acabou!

Três da manhã de 23 de dezembro! Mas ainda não deu tempo de fazer a retrospectiva do ano que acaba. Tem muita coisa acontecendo nesses últimos dias de 2011, outras que ainda podem acontecer e algumas que torcemos fervorosamente mas sabemos no fundo, no fundo, que não vão acontecer... O cansaço roubou minha inspiração mas a semana foi fértil. Já prevendo a comilança das festas, terça-feira refiz minhas fotos com Moisés Pazianotto, já a fim de entrar 2012 com material novo e os objetivos mais altos que o céu. Perdi um teste. Quarta-feira gravei para Ponto Frio, doze horas de gravação em Jundiaí, mas muita risada, velhos amigos e a garantia do aluguel de janeiro. Perdi outro teste - recheadíssimo, diga-se de passagem. E hoje, fui aprovada para a gravação de um vídeo institucional para a TV Beauty, me rendendo um cachê à vista, bons elogios e novos contatos. E ainda tive tempo de nem precisar correr para um teste aqui nas redondezas. Além deste, espero resposta de outros dois possíveis jobs, ainda para antes do último dia deste ano que foi... surpreendente. Decidi que a calcinha do Reveillon será única e exclusivamente amarela. E amanhã declaro folga! Não ainda férias... A mala já está ao lado da porta e a estrada nos espera! Já sinto o calor de Ribeirão e o calor daqueles dos quais tanto sinto saudades. Teremos bons dias para matá-la, enquanto acabam-se os mais radiantes dias que São Paulo já viu... Tenha um lindo Natal!

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Contos de Fadas

Contos de Fadas existem ou não existem? Existem nos livros como os conhecemos, com os velhos cinco fatores do roteiro: o príncipe galopando no cavalo branco, o final triste da bruxa má, a reviravolta  e a linda mocinha, o "viveram felizes para sempre"... Mas contos de fadas podem existir sim! Com suas adaptações à realidade, claro... Afinal, pra quem tem pensamento forte, o impossível é só questão de opinião! Vou explicar... 1- O príncipe, acreditem, não é perfeito! Não é o sinônino de coragem e destreza, embora possa sempre surpreender no final do capítulo. E nem tem um cavalo branco, pois ele pode ser um cara completamente urbano que dirige um carro sport ou simplesmente anda de busão. 2- A bruxa má... Bom... Nem sempre tem só o final infeliz. Às vezes a coitada esteve a vida toda à beira da frustração e por caraminholas na cabeça, fez o que fez e faz o que faz. Ou então, considerando-se que a maldade e a loucura são inerentes ao homem, talvez ela tenha vivido feliz e morra feliz. Tem gente que se engana. Tem gente que acredita no que convém. Ou que simplesmente não tem a menor noção da palavra "escrúpulo". Tem de tudo nessa vida, pode acreditar... 3- A mocinha. Ai, a mocinha! Não é porque carrega o sufixo "inha" que seja uma alma sofredora e fale mansinho. Pode ter voz grave, sim! E nem sempre é linda, não. Pode ser uma mulher tão mas tão feia que de tão forte e batalhadora, se torne mais bonita do que a imagem no espelho da rainha. 4- A reviravolta! Por essa todos esperamos! Às vezes ela é de 180 graus. Às vezes gira, gira e pára no mesmo lugar. Mas ela acontece. Afinal, a vida não é estática... Pelo menos pela lei da gravidade todos somos regidos. E uma hora tudo vai cair, isso se não girar... 5- Já o "viveram felizes para sempre" é aquela história... Que seja eterno enquanto dure, sabe? Nessa vida só temos certeza da morte e o sempre não existe, desculpa. É só uma palavra bonita que completa os versos da poesia "Amor". Falando nele, ele existe, na ficção e na realidade. Só que é mais complicado do que contam os autores dos livros. Bem mais complicado! Mas enquanto não encontramos nossa fada madrinha nem os anões na floresta, continuamos a escrever nossa vida em prosa. Quem sabe um dia, algum autor romântico não nos transforma em estrofes com as mais belas rimas? Basta não parar de sonhar... Porque se os sonhos param, a vida desmancha como uma casa feita de doces no calor de dezembro... E que calor de dezembro! Boa noite...

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Que semana!

O céu da capital está cheio de nuvens neste momento e as gotas de chuva começam a cair. O calor tem sido grande e as emoções também. Acho que o verão chegou! Terça-feira acordei em meados das cinco da manhã para estar na produtora às sete. Sabia que um longo dia viria pela frente, com seis vídeos dos cursos de pós-graduação do SENAC e muito texto a serem gravados... Às seis e meia da tarde recebia palmas pelo job concluído, o abraço da carinhosa produção e os mais gratos "parabéns". Me perguntaram se fiz jornalismo e lá vou eu contar a minha história... Fizemos um bom trabalho! E posso dizer sem nenhuma dúvida que sim, além de atriz eu também sou apresentadora. Voltei para casa exausta mas feliz, pensando no que foi e no que pode vir, já programando o despertador para o mesmo horário no dia seguinte. Não deu tempo para descansar... Sete da manhã de quarta-feira estava eu em outra produtora para a gravação do comercial da escola de inglês UNS. Um belo café da manhã e uma bela chuva matutina depois, bora pra maquilagem e figurino. A maquiladora era uma fofa, já velha companheira de trabalho e pedi que caprichasse nas olheiras. E meu salto era "do peru"! Alguns bons centímetros dos quais ainda sinto resquícios mais de 24h depois... O estúdio! Graças ao Senhor, tínhamos o melhor ar condicionado! E que cenário! Fiquei boquiaberta e animadíssima com o que seguiria. Ao meio-dia, chegou a nossa "estrela", sobre a qual manterei segredo mas que já em janeiro, vocês vão conferir. Depois das gravações do comercial, vieram o institucional e as fotos. Somamos mais de 14h de gravação! O pé chorava de dor mas ela valeu a pena! Muita comida, muitas risadas, muito aprendizado e muito a aprender... Uma trupe enorme e como uma orquestra, cada um cumpre sua função, seja a luz, seja o boom, seja o Codec, seja o fio de cabelo do apresentador, seja o buffet com as portentosas frutas, seja o colar da atriz, seja a entonação do texto, seja a direção de tudo isso, e seja o que Deus quiser! Façamos sempre a mais bela música! Começo a contar os dias para ver estas obras concluídas... Como eu adoro tudo isso! Para hoje planejei o mais absoluto descanso... Coisa que não aconteceu. Um teste na parte da tarde e uma corrida noturna depois, aqui vos falo, ainda o pó da rabiola e já me roçando nos meus lençóis que querem me engolir... Que semana! Tenho tido meses incríveis e a certeza cada vez mais clara de que 2012 será melhor ainda e de que um dia, a estrela serei eu! Boa noite!

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Vídeo Institucional SENAC

"...Mexe, mexe, mexe com as mãos... pequeninas!"

1997. Meu irmão e eu brigávamos para ver quem dominaria os botões do controle remoto da televisão. Eu queria ver Chiquititas e ele qualquer outra coisa, menos Chiquititas. Puxa daqui, puxa dali, xinga disso, grita aquilo até que a derradeira "Mãe!" entra na história e resolve o conflito. Se uma terça ou quinta-feiras de 1997, minha amiga de infância e eu seguíamos ao clube depois do nosso treino de vôlei, e no vídeo-cassete, meu ou dela, ficava a fita gravando a nossa querida-amada-idolatrada novela. Nenhum capítulo era perdido. Nenhuma coreografia passava desapercebida. Os cd's não saiam do rádio e os posteres dominavam nossas paredes e portas de armário. Guardo até hoje a cartinha que a "Mariah" me respondeu, quando passávamos tardes e tardes escrevendo para o endereço das revistas que faziam fortuna com o sucesso daquela menininada. "Quero ser uma chiquitita!", eu implorava nas páginas do meu diário lá nos confins do interior do estado de São Paulo... Algumas temporadas depois, quando eu já era adolescente e aquilo tudo já perdia a graça, levei minha priminha que ainda era "inha" ao show das Chiquititas. Mas já me achava um pouco velha para tudo aquilo e não engolia as novas personagens. Quantas saudades de Mili, Vivi e Mosca, Cris, Pata, Tia Flávia... E foi neste meio tempo que descobri, definitivamente, que eu queria ser atriz. No século seguinte, ano de 2011. Estou eu, já caminhando para meu terceiro ano na capital. O mundo deu voltas, cambalhotas, twists carpados, pareceu parar, tremeu, pegou fogo, inundou, congelou, um degelo e aqui estamos. E eis que se senta, hoje, à minha frente num teste, uma ex-chiquitita. A gente concorria pelo menos papel. Não hesitei e já mandei uma mensagem avisando minha amiga de infância. Doces lembranças vieram à tona numa tarde de espera no banco de uma grande produtora... Pensei em me dirigir a ela e declarar meu amor pelo seu antigo trabalho. Aí achei melhor não. Até que ela puxou papo, trocamos algumas informações e pensei: "Por que não?". E coincidentemente, ela era a minha personagem preferida... Falei. E não escondi nenhum dos detalhes acima descritos e vi um sorriso de alegria, satisfação e saudades de um tempo que se foi em seus olhos. Me contou de seu casamento no ano que vem e também que uma outra colega da novela será sua madrinha. Uma simpatia! Foi um sonho tardio que se realizou quatorze anos depois. Quatorze anos depois... Um encontro que me fez sorrir e pensar naquele velho e piegas ditado, mas que não falha: "Antes tarde do que nunca.". Eu não fui uma chiquitita. Mas hoje sei que posso ser tanta coisa... E ganhei uma nova amiga no Facebook! Boa terça-feira!

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Dona Fernanda Montenegro

Hoje à tarde o mundo despencou sobre São Paulo. Como mais do que esperado, o trânsito parou. O paulistano se assusta já ao ver uma nuvem cinza no céu e parece que já pisa no freio. Um pisa e o outro é obrigado a pisar. E assim e não só por isso, ficam todos estancados nas marginais e nas avenidas, e o relógio corre mas o velocímetro não. Viver em Sâo Paulo é um teste de paciência. Mas ao contrário da paulistanada, eu não estava sentada no banco de um carro. Eu estava no meu sofá esperando alguém que estava dentro de um. E com os ingressos de Viver Sem Tempos Mortos nas mãos há uma calculada semana, temia por perder não só quase cem reais (foi-se o tempo da carteirinha de estudante) mas perder também a oportunidade, mais uma vez, de ter a honra de assistir à Dona Fernanda Montenegro. Tic-tac, tic-tac. Buzinas, faróis, semáforos. Mas, como é impossível fazer parte de um congestionamento sozinha, boa parte daquela fervorosa plateia também temia o mesmo que eu. E todos chegamos a tempo! Quer dizer, todos menos dois pagantes das poltronas ao nosso lado, que -sinto muito por eles - nos proporcionaram um ângulo melhor da Nossa Dama do Teatro. Só dela, de uma cadeira e de um feixe de luz, escorados sobre um belo texto de uma rica vida cercada dos mais abastados personagens. Não precisou de mais nada. E ela fez do nada o mais farto espetáculo! Sessenta minutos para refletirmos sobre a vida e a morte, sobre o papel da mulher, para de alguma maneira me identificar com Simone de Bovoir e com o amor e fascinação por Sartre: "Eu sou você"... Refletir sobre a verdade. Felicidade. A liberdade. Uma aula com a melhor professora que a arte poderia me dar. Fernando Leal estava certo. Não há palavras para Dona Fernanda Montenegro. E ah! Passei no teste para comercial de uma escola de inglês! Gravo dia 14 e aviso que vem gente famosa junto... Já é o meu primeiro presente de Natal! Boa sexta-feira! O ano ainda não acabou...

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Texto enviado para concurso da Revista Marie Claire ("Quando eu me libertei...")

Às vezes dizer que temos 25 anos parece pouco... "Tem muito o que aprender ainda...", diriam algumas céticas com alguns anos a mais na carteira de identidade. Mas meus 25 anos são inspiradores e se os próximos forem parecidos com estes, a vida já vai ter valido a pena...
Assim, me apresento: sou Stella Menegucci, com meus parcos e já 25 anos, sou de Ribeirão Preto mas moradora apaixonada de Sâo Paulo e sou atriz. Mas para me apresentar desta maneira, muita água passou por debaixo desta ponte...
Sendo a caçula de um quarteto fantástico e criada por uma mãe-pai no interior do estado, já que perdi meu querido progenitor aos ainda 7 anos, cresci muito independente e habilmente exigente comigo mesma. Era a melhor aluna da sala, "precoce", diziam alguns. Frequentadora da biblioteca da escola, pedia livros de presente de aniversário, com boas notas no boletim, sem dar a mínima preocupação para minha mãe. Desta maneira, com o passar dos anos sempre depositaram em mim a confiança de ser no futuro, uma brilhante profissional, bem-sucedida e certamente com um diploma invejável pendurado na parede. Mas a dúvida da profissão sempre rondou a cabecinha de quem vos fala. Jornalista? Advogada? Dermatologista jamais! Mas no fundo, no fundo... eu sabia o que queria ser. No meu diário de 1997, eu inocentemente clamava: "Quero ser uma chiquitita!", ano em que a novela dominava a minha programação televisiva. Mas aquilo era o mais absoluto sigilo! Loucura? Provavelmente. Querer ser atriz? Aos onze anos de idade? Morando na longínqua cidade de Ribeirão Preto? Enquanto driblávamos as dificuldades, nunca tive a coragem de pedir para que minha mãe "jogasse fora" 500 ou 600 reais naqueles "workshops picaretas" de interpretação para tv... Mas no meu mais profundo eu, sonhava em alguém me pegar pela mão e me colocar dentro de uma novela. Insanidade? Sim, a mais completa insanidade! Mas o Colégio Marista (escola a quem devo grande parte de minhas aspirações teatrais) me proporcionou experimentar a tentação dos palcos e me conferiu a facilidade com a oratória. O famoso "bichinho" me picou a partir do momento em que comecei a escrever o primeiro script de uma peça. Peças, sketchs, seminários, apresentações de dança, poesias... Não teve como! A doença "arte" tornou-se crônica. Mas... Os anos foram passando e a palavra "faculdade" tornava-se cada vez mais próxima. E a ambição de estabilidade financeira também. Fora o convite de um querido professor para a propaganda da minha escola, na época já o Liceu Albert Sabin, continuei a vida no interior. 2003. Chegam às minhas mãos manuais de inscrição das famigeradas provas do vestibular. Nesta altura do campeonato, o sonho estava mais do que enterrado e o diário daquela aspirante a chiquitita mais escondido do que barbeiro em casa de pau-a-pique. Mas sem saber qual "X" ali marcar, recorri à ajuda de uma orientadora vocacional. Dez sessões depois, temos como opção Relações Internacionais, seguida de Jornalismo e como terceira e última opção, Artes Cênicas. Mas, convenhamos, ser atriz? No Brasil? Eu? Stella? Do interior de São Paulo dizendo "porrrrta"? Quem pagaria minhas contas? Imagina, seria pobre para sempre, só podia ser alucinação... Assim, visando um "futuro brilhante", assinalei Relações Internacionais. Inscrita apenas nas três aceitáveis faculdades públicas que ofericiam o glamuroso curso, aos 17 anos ingressei na UNESP de Franca. Não sabia exatamente o que significava Relações Internacionais. Nem o que fazer com aquilo. E se eu queria aquilo. Mas era uma das mais conceituadas universidades do país e a oportunidade era única. Confesso que tive preguiça de estudar mais um ano para passar na tão sonhada USP, na tão almejada e ainda distante cidade de São Paulo. Fiquei com a instantânea opção. Assim, montava república em abril de 2004 naquela cidade de 280 mil habitantes. Foram cinco anos de greves, disputas de chapas estudantis, professores picaretas, muita leitura sobre OEA, União Européia, Direito Internacional, Economia Internacional, Estatística, Kosovo, diplomacia, quanta burocracia... Passei cinco anos aprisionada em um curso que não me satisfazia, numa cidade que muito menos... Eu poderia trabalhar no primeiro, segundo ou terceiro setores, já que as Relações Internacionais eram tão abrangentes e me abririam portas onde quisesse. Mas nenhuma daquelas portas me interessava. Fugia toda sexta-feira para Ribeirão Preto, e chorava copiosamente sem ver a luz no fim do túnel, retornando à cidade que me parecia tão fúnebre apenas para o almoço de segunda-feira. Tentei uma desesperada transferência para Sâo Paulo, mas por erros unespianos, me privaram de fazer a segunda etapa da prova, para a qual havia passado em primeiro lugar. Meu destino era ali, não tinha jeito... Resolvi aceitar o fardo depois de um intercâmbio para o Canadá, quando tomei um gás final rumo à formatura. As Relações Internacionais começavam a fazer sentido. Mas o pessimismo e o sarcasmo tomavam conta da minha personalidade. Eu não me encaixava ali. Nem nas RI nem na cidade pequena... Levava os dias com a barriga. Contava as horas do relógio. O tempo era interminável. Minha hora de brilhar era na apresentação dos tantos seminários. Como eu amava! Cheguei a dar aula em escolas públicas para cumprir minhas horas de estágio e era como estar num palco e receber as palmas no final do espetáculo. Eu sentia pena de mim mesma... Os poucos e rasos estudos de mídia me brilhavam os olhos! E o cinema, a televisão e a música nunca deixaram de me acompanhar... Em 2008, último ano daquela que eu considerava a maior tortura de todas, voltei para Ribeirão Preto e tinha janelas na grade afetada pelo intercâmbio de 2006. Aula apenas duas ou três vezes na semana. Minha turma já havia ido embora de Franca e não tinha porque lá continuar. O único brilho que eu enxergava, meus amigos, não estava mais lá. Com isso, comecei a pensar no que fazer com minhas horas vagas. O "sonho" - qual sonho mesmo? - estava mais do que enclausurado, mas despretenciosamente, um dia, anotei um número de telefone num outdoor da cidade que dizia "Curso de Teatro TPC". Resolvi ligar. Resolvi marcar uma primeira aula experimental. Resolvi aparecer, como quem não queria nada, mas me achando a idiota mais completa. Teatro? "Que coisa mais banal...". Quatro horas depois, andava na rua pensando: "Hum, interessante.". Voltei na segunda aula. Um mês depois, me chamavam para um teste de uma peça do repertório da escola, "E Agora, Mãe?". Peguei o papel de mãe. Dois meses depois, me entregavam o pesado script da italianada de "Porca Miséria" e me perguntaram: "Você segura o papel de Miquelina Buongermino"? E como segurei! Depois seguiram mais duas peças, João e o Pé-de-Feijão e o musical "Verdunga - na Terra do Verde-Cinza". E eu comecei a enxergar a tão esperada luz! Era um mundo novo se abrindo e eu finalmente me encontrando. Em um ano, rodei o interior do estado de São Paulo, subi em palcos nunca antes imaginados, levei minha família uma, duas, três, oito vezes ao teatro, para ver uma nova peça e às vezes a mesma peça. Mostrei a amigas que aquilo não era brincadeira. Fui a lágrimas ao ver quase mil pessoas batendo palmas para um drama familiar ou as quatrocentas pessoas gargalhando na comédia política... Me chamaram para um primeiro teste de vt, fiz minha primeira propaganda profissional, na televisão local e foto na Revista VEJA... Mas no desespero pré-diploma, segui o fluxo com aqueles universitários assustados em enfrentar o mercado de trabalho e também me inscrevi em processos de trainee. Depois de provas on-line, inglês por telefone, dinâmicas hipócritas e entrevistas, resolvi abandonar aquela que poderia ser uma segunda prisão: uma vaga numa multinacional. Após perder o sono por várias noites e depois de uma conversa derradeira com minha mãe, enviei um e-mail à Cargill e à International Paper, agradecendo a oportunidade mas dizendo que tinha outros planos para 2009... Ah! Meu TCC? Não tive como fugir... "A Americanização do Brasil Durante a Segunda Guerra Mundial através de Hollywood". Dez com êxito! Canudo na mão, diploma na gaveta, etapa cumprida! E foi quando finalmente me libertei dos meus próprios medos e preconceitos e bati no peito, defendendo não apenas o que era sonho, mas o que sempre soube que era vocação. E me mudei para Sâo Paulo para ser, definitivamente, atriz! Abri mão de uma estabilidade financeira e psicológica para uma recém-formada e mergulhei de cabeça na fantasia da arte. De lá pra cá, quanta coisa! Cursos de teatro, tv, cinema, partipação em longa, curtas, as tantas ciladas, meu tão cobiçado DRT, o primeiro teste, o primeiro teste com fala, a primeira grande propaganda... O resto é história. Hoje sorrio com a mais pura verdade e se choro, na maioria das vezes, é de alegria. O dia-a-dia é duro, sim. Esta é uma carreira para quem disputa maratona e não uma corrida de cem metros. Mas, me faz feliz, me faz realizada, me faz querer crescer e sonhar. E ver o orgulho no sorriso de minha mãe a cada trabalho conquistado, não tem preço... Já diria Guimarães Rosa que a felicidade não está na saída nem na chegada, ela se dispõe para a gente é no meio da travessia. E esta travessia que mais parece uma montanha-russa me faz gritar de alegria e sentir o frio na barriga do adeus à frustração. Ser feliz é fazer o que a gente gosta, onde a gente quer e com quem a gente ama. E hoje bato no peito e vejo como passado as velhas amarras do medo. O sonho é sim, possível. Basta assumir. E acreditar.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Dezembro

E começamos o último mês de 2011! Hoje, pela primeira vez dos próximos pelo menos trinta dias, recebi os primeiros desejos de "boas festas". Também reparei na portentosa árvore e nos tantos papais noéis que enfeitam um centro comercial aqui do Itaim... Acendi mais uma noite consecutiva a minha árvore localizada no canto da sala, ao lado da tv... As tantas luzes e laços desta época do ano me trazem boas lembranças, felizes esperanças e medo do que acaba e frio na barriga para o que começa. Eu não queria que 2011 terminasse. Ainda. Eu não peguei a telefonia ou o banco que disse que pegaria... Eu não fui chamada para nenhum teste em emissora... Eu não ganhei dinheiro como acreditei ganhar... Apesar disso, fiz inúmeros trabalhos que jamais planejei, conheci pessoas como jamais pensei, reencontrei quem não pensei tão cedo nem cumprimentar, falei o que achei que para sempre fosse enterrar, ouvi e senti o surreal que pareço ainda não acreditar. Enfim... 2011 ainda não acabou e nem foi exatamente como eu esperava. Mas já valeu muito a pena. Que ano! Bom mês de dezembro!

terça-feira, 29 de novembro de 2011

MEU SITE NOVO NO AR!

www.stellamenegucci.com.br

Vermelho, vermelhaço, vermelhusco, vermelhante e vermelhão

Nesta mundo sem fio, estar com as antenas sempre ligadas pode fazer toda a diferença. O que se ouve por aí pode ser perigoso, o que se lê pode enganar, o que se vê pode te fazer chorar, mas estar atento aos pequenos detalhes da vida... Ah, é mais que um dom, é uma necessidade! Assim, desde 2009 capto informações aqui, vou digerindo-as ali, ponho em prática onde devo e colho o que plantei, na hora certa, depois da chuva e da seca que só Deus me dá. Porque o fluxo de informações é imensurável! Enquanto escrevo uma frase agora, bilhões de outras pessoas escrevem palavras, outras frases, alguns poemas e até livros. Mas o importante é o que se filtrar dessa enxurrada de fotos, fatos e relatos. E tudo isso para explicar um pequeno grande detalhe do meu teste para o Partido dos Trabalhadores na quarta-feira passada, teste realizado, aprovado e hoje, depois de levantar sofrivelmente às quatro e meia da manhã, gravado! Há pouco tempo atrás, ouvindo as conversas dos bancos de casting - onde apesar de muita abobrinha, tem-se muita experiência ali a ser dividida, muitas histórias a serem contadas e muitas dicas a serem seguidas -, escutei de alguém que muito trabalhava que escolher a roupa do teste de acordo com a cor do cliente contratante, pode ser um diferencial. Dica idiota, a princípio; óbvia até! Tão óbvia que na hora me senti igualmente idiota por nunca tê-la usado. Sendo assim, na quarta-feira não tive dúvidas sobre o que vestir para meu teste: calça jeans e uma regata vermelha! Enquanto dava as quatro versões para o texto, me perguntaram do lado de lá da câmera: "E essa blusa, Stella, foi intencional?". Rá! Mas, ideologias à parte e com a dúvida se a cor realmente ajudou ou não, hoje gravei para o partido e em breve vocês me verão falando em rede nacional novamente. Fica a dica: use o filtro! Boa noite!

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Fila Night Run - 5km

Cinema em plena segunda-feira

Não, eu não tenho culpa se fui a terceira a fazer o teste e chegar cedo em casa. Não tenho culpa se não passei no teste de quinta-feira, o qual tinha certeza que pegaria, e não tive gravação hoje. Não tenho culpa se meus músculos pediram descanso e também não fui correr. Não tenho culpa se pude ir ao cinema em plena segunda-feira na sessão das 16:30h. Falem o que quiser... Mas Almodovár valeu o meu dia! Se louco ou se gênio, o seu A Pele que Habito me fez pensar em tantas coisas e a duvidar da sanidade da humanidade e da minha própria. Faça valer o seu dia também! E sim, eu amo cinema!

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Para Cartões Rendimento VTM

Gravação!

A quinta-feira foi de teste... Horas de espera no teste... Horas repetindo o mesmo texto... Eu e mais um milhão de pessoas, adolescentes, adultos, homens, mulheres, idosos... Mas a sexta-feira foi de gravação! E diria que, de todas elas, a mais rápida. Às dez e meia estava na produtora em Pinheiros para um vídeo interno do Cartão Rendimento VTM. Não precisei madrugar, não perdi o sono, dormi como devia dormir e cheguei como tinha que estar. Por surpresa tive como maquiladora a ótima maquiladora do meu book, um texto tranquilo para decorar e quinze minutos na frente da câmera. À uma da tarde já estava liberada e feliz por ter tido os minutos mais rentáveis da minha vida. Voltei para casa, fiz meu almoço, fui correr, sem grandes planos para a sexta-feira. Foram bons dias! E que venha o final de semana!

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Novela mexicana

Às vezes tento achar os motivos pelos quais resolvi fazer o que faço. E um deles, já dizia minha autobiografia datada em 2001, é que eu buscava um dinamismo numa vida fora do comum, sem rotina, sem mesmice, cheia de cores e luzes, com muito drama, ação, suspense, doces e ardentes romances, gêneros que a vida até os 15 anos não proporcionou nas medidas que eu queria. Pois bem, dez anos depois, o cenário é outro, o roteiro virou do avesso, a sonoplastia ficou a cargo do melhor e mais absoluto maestro, o figurino evoluiu, os personagens principais continuam, algumas participações especiais - pouquíssimas surreais -, muitos foram substituídos, alguns condenados ao ostracismo, outros apenas in memorium. Mas a protagonista... Continua a mesma e que não é mais a mesma. E aqui vos falo, de uma vida que sacode, mistura, congela, derrete, condensa e sublima, agora em medidas que eu não mais me proponho a medir. E por isso faço o que faço, falo o que penso, sinto o que gosto, tento não pensar no que não quero. Um script digno de novela mexicana! E quem é que vai ter coragem de dirigir? Mas eu garanto: seria sucesso no Ibope...

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Foot Company Natal 2011

O pó!

Vos escrevo sob o mais absoluto cansaço... Às cinco e meia despertava meu querido celular e às 7:15h já estava eu dentro do ônibus da Viação Pássaro Marrom rumo à S. J. dos Campos. Uma hora e meia de viagem e lá revi todo o pessoal tão especial de um ano atrás... Três personagens, cinco looks, mil takes, duas fotos! Acabamos quando já passava de 21h e ganhei de presente um táxi que me trouxe diretamente de lá até meu lar doce lar em São Paulo e um dos sapatos que estará no banner da loja! Feliz, cheguei quando já passava das 23h. Ufa! Às vezes a gente busca a perfeição e não se permite errar, mas ator também tropeça nas palavras, sua, cansa, e por isso faz, refaz e refaz. Somos a arte da repetição. E não há mal algum nisso, viu, Dona Stella? Vi. E amanhã o dia segue com dois testes e um texto que ainda não decorei... Neste momento, estou o pó da rabiola, doidinha para com o ar me dissipar. Chegou a hora! Boa sexta-feira!

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Os dias

Enquanto os rebeldes sem causa lutam por alguma que nem eles sabem, enquanto ministros se seguram para não dispencarem, enquanto tornado destrói e a chuva afoga as mágoas por aí afora, continuo na minha vida, que de rebeldia tem nada mas as causas seriam muitas, que de política tem tudo, que mágoas foram afogadas e onde um tornado me vira do avesso, sem querer querendo... As novidades profissionais foram parcas nos últimos dias e por isso poupei vocês, queridos leitores, de todas as outras amenidades. Mas a semana caminha bem e tenho a quinta-feira já reservada para uma gravação em São José dos Campos para vehos amigos da Foot Company, naquele velho esquema de levantar às quatro da matina para estar lá às 8h... A gente não pode parar! Boa noite!

domingo, 6 de novembro de 2011

Geléia de Pérola

Se a música colore a vida, minha noite de ontem teve todas as cores da aquarela! Quando Pearl Jam esteve no Brasil pela última vez e eu assistia a transmissão pela televisão, enquanto Ribeirão Preto ainda era muito distante de São Paulo, prometi para mim mesma que na próxima vez, eu estaria lá! E ontem foi mais um daqueles days to remember... Não foi preciso um palco de 360 graus, nem firulas, fogos de artifício ou nenhuma parafernália. No estilo mais grunge, Eddie Vedder levou o Morumbi ao delírio, com sua banda, sua voz, seu olhar dramático, as melhores canções e algumas simpáticas frases em portugês. Décadas se passaram e os caras continuam "os caras"! Assim, completo os três shows que um dia disse que não morreria sem assistir: Aerosmith, U2 e agora... Pearl Jam. E que venham os próximos! "Stay with me... You're all I see... Did I say that I need you? Did I say that I want you? Oh, if I didn't I'm a fool, you see, no one knows this more than me..." E desta vez, eu posso dizer: eu estava lá!

domingo, 30 de outubro de 2011

Gravação para Mmartan

Porque a vida continua...

E enquanto a chuva cai lá fora, depois de dias de calor quase que insuportáveis na capital, a vida continua. Após perder uma foto para um supermercado na sexta-feira passada por motivos no último post explicados, brindei esta semana com duas gravações e dois testes, juntamente com todos os "tim-tins" que eles acompanham: novos contatos, novos amigos, muitas risadas, rico material, contas pagas - algumas delas -, poucas horas de sono e muito cansaço. Quinta-feira, depois de uma abominável noite de insônia, levantei às 5 e meia para pegar o ônibus das 7 e meia rumo a Valinhos para a gravação de um vídeo institucional para as Faculdades Anhanguera. Teleprompter a postos e muito calor dentro do estúdio que não permitia som e ar condicionado ligados ao mesmo tempo. A temperatura passava dos trinta graus lá fora e naquela estufa, conseguimos um bom trabalho! Às 16:45h já voltava para São Paulo, mas tive a viagem alargada por aquele congestionamento básico na Marginal Tietê, e o que levaria uma hora e meia, demorou quase três... Enquanto xingava os tantos carros praticamente parados, recebi a proposta de gravar um piloto para MMartan no dia seguinte. Se topava? Mas é claro! Para isso, dispensei um bom teste para refrigerante, apostando mais num trabalho de verdade do que nos parcos dois, três minutos que normalmente se leva durante um teste perante a câmera. Os planos de corrida foram por água abaixo... Assim, às 9h de sexta-feira, lá estava eu na loja de Moema. Gravamos até sete e meia da noite, revi e conheci muita gente interessante e a semana já tinha mais que valido a pena! Cheguei às oito e pouquinho em casa, calcei meu tênis e enfrentei o parque. Já completava quase duas semanas sem um exercício físico e meu corpo clamava por movimento... E hoje, sabadão, pude dormir até acordar, sem despertador, sem horários, sem maquilagem, sem precisar decorar texto, sem precisar secar o cabelo nem nada. Pude pôr a vida em dia, corri, fui ao cinema... Um dia só pra mim! E assim a vida vai. Caminhando. Com lágrimas, surpresas, com frio na barriga, uma nova dieta, e muitas saudades, como tudo deve ser... Bom domingo!

terça-feira, 25 de outubro de 2011

A Melhor Vó do Mundo

Quando um bebê nasce, ele chora e todos os outros sorriem. Quando alguém se vai, todos nós choramos mas ele que vai, sorri. Pelo menos é o que ouvi dizer por aí... Se assim for, neste momento o céu se faz mais alegre e o mundo aqui embaixo um bocado mais triste... Os últimos dias foram uma contagem regressiva da qual, se acreditamos que Deus sabe o que faz, todos nós tivemos que participar. Escrevo agora para ela e pensando nela, ela que nunca pediu prata em seus talheres nem versos sofisticados, mas que eu gostaria que escutasse a poesia mais linda... Ela, que não exigia pudores nem milindres, mas sempre mereceu o mais nobre respeito. Ria das piadas mais sujas ou banais, contava as histórias mais cabeludas - até o momento em que sua memória permitiu... - e criou uma família que tudo junto e misturado, hoje derrama lágrimas por uma saudade imediatamente doída e que teme que não só as tardes de domingo mas o resto de nossos ainda numerosos dias sejam nebulosos e mais solitários. Ela, que observei que me olhava de longe no último domingo enquanto eu desviava o olhar, talvez porque não fosse hora da despedida. Ainda... Ela, que não querendo me dar seu último pote das pimentas cultivadas em sua sacada, me prometeu comprar na feira quando ficasse boa... A criadora do melhor pudim de leite condensado, capaz de fazer os mais suntuosos empórios da capital babarem a seus pés... A cozinheira do melhor feijão, do mais saboroso bacalhau, da verdadeira feijoada. Amante incondicional do truco e da "víspora", senhora da melhor Coca-Cola, e a misteriosa detentora do segredo do melhor e mais simples tempero de salada de todos os tempos. Ela, que me deu a mãe mais linda, a melhor madrinha, a família mais especial... Ela, que com poucas jóias além daquele brinquinho de ouro, carregava um coração de diamante ornado com as mais coloridas pedrarias... Não carregava brasão nem foi notícia de jornal, mas levou o merecido título de "Melhor Vó do Mundo" e valeu por duas, três... Ela que jogou os cinco - ora seis - filhos no mundo, com a raiz na roça e a copa nos céus e aqui todos nós estamos, frutos de seus galhos ramificados e recheados das histórias mais engraçadas e mais despretenciosas, que não exaltam um perfeccionismo, já que ninguém é perfeito, mas que ela escreveu perfeitamente como tinha que ser. Tinha que ser assim. Agora o bastão foi passado para a gente, filhos, netos e bisnetos: suas sementes, seus motivos de orgulho. Mal acostumado... você me deixou... Não vale "eu devia ter feito mais isso" ou "não devia ter falado aquilo" porque traçamos o caminho que devemos traçar, seja ele reto ou tortuoso. Cada minuto foi fundamental. Perto, longe, rindo, chorando, brigando, reclamando, suspirando, descansando. Prometi em pensamento na beira de seu leito, um minuto antes de o fatal alarme apitar, que ela fosse em paz e que nós continuaríamos bem, cultivando tudo aquilo que ela plantou. Entendamos que tudo isso que nos cerca é "matéria" e o resto é lembrança, e esta sim, não se perde com o tempo, não se esvai com a modernidade, não é enterrada a sete palmos. É minha herança mais valiosa. E de você, Vó, guardarei as mais doces lembranças, lembranças desses vinte e cinco anos de convivência, de carinho, de cafuné, e de seus oitenta e dois de história, história que não merece outro nome que não seja "Divina". Ria aí em cima. Agora você pode. Você merece! Um dia a gente vai se encontrar...

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

E eu?

Já achei que o mundo estivesse nas minhas mãos, mas tem hora que toda minha autoconfiança escoa pelo ralo junto com ele, que um dia achei que segurasse... É aquela hora que me sinto uma peça reserva de um atribulado tabuleiro querendo entrar para jogar, mas impedida ora pelo técnico, ora pelos adversários, ora pelos jogadores do meu próprio time, ou sei lá, de repente, eu me autoboicoto, vai saber... E a certeza de estar condicionada para as tramas futuras se vai, assim como uma brisa leve na beira da praia. Ficar na reserva não dá mais. Eu nasci com a eterna vontade de ser titular mas tem dias que parece que o jogo não é meu... que o sonho é impossível... que o desejo é pura perda de tempo. E assim durmo hoje com a vontade de comprar a bola e ditar as minhas próprias regras, mesmo se essa partida for uma solitária partida de "Paciência". Jogar é preciso. E o meu medo é que o tempo é curto. Boa noite!

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Mais um!

Depois de mal conseguir me achar no comercial do Beach Park e rosnar por terem cortado o meu close, a noite de quinta para sexta-feira não foi nada agradável. Após receber notícias tristes, as dúvidas que já não eram poucas tomaram o formato de sonhos. Depois de pensar na vida e temer a morte, peguei no sono quando já passava das três, mas acordei com o cabelo todo molhado, os lençóis bagunçados e uma sede absurda às sete da manhã. Quando o relógio marcava minutos antes das oito, o telefone de casa toca, levantei para atender com o cabelo mais bagunçado do que minha cabeça e me ofereciam uma gravação para depois do almoço. "Você está disponível?". Meio-dia e meia estava eu na produtora. Desta vez, fui mãe de uma bebezinha de oito meses para um comercial de calçados infantis. O diretor disse que aproveitaríamos ao máximo o que eu conseguisse tirar da Luiza. Risadas, palminhas, dancinhas, enfim. Um frio percorreu a espinha, pois eu e bebês... hum... No final, eu e a bebê nos demos muito bem (o que não foi difícil, pois ela era uma gracinha e eu tenho sim um "quê" maternal) e às duas e meia da tarde eu já tomava um Toddynho rumo à minha casa já sentindo o prelúdio de dores musculares. Cheguei e arrumei minha mala pouco descrente por querer, na verdade, ter de ficar para as gravações das quais aguardava resposta. Foram todas "não". Almocei qualquer coisa e comecei a maratona rumo ao interior... Mas o final de semana foi delicioso, apesar de ter cada minuto cronometrado para ver todos que queria. Consegui, mas desejando que o dia tivesse 48h... Dei mais beijos naquela pela qual temi dias atrás... Resumi as tantas histórias e os causos da cidade grande... Derramei algumas lágrimas e abracei quem estava com saudade... Revi quem mal lembrava e não senti a menor falta da hipocrisia aristocrata de Ribeirão Preto. Saúde, família e amigos. Esta adição, se apimentada com dinheiro, amor e satisfação profissional, é sinônimo de plena felicidade. Por enquanto a felicidade não é plena, mas começo minha semana feliz, embora já cansada, um pouco desanimada, com chuva e alguns indesejados mas não evitados quilos a mais na balança. Vamos ver o que a segunda-feira me traz... E que sejam coisas boas! Boa noite!

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Comercial Beach Park

1,2,3, vai!

Meu Nextel é sinônimo de trabalho e acordar com a notícia de estar mais uma vez editada é bem agradável. Melhor despertador, nesta altura do campeonato, impossível! Levantei, fiz meu café com leite, meu pão torrado com requeijão derretendo, minha querida banana... E o celular não parava de tocar. O meu mundo dos negócios despertou depois do feriado! Que felicidade! E para um dia que não prometia muita coisa, ganhei um teste para dois papéis (principal e coadjuvante), onde tive que correr e cair da esteira... Uma dose tripla de ânimo, um pouco mais de ansiedade, muita chuva e por isso um táxi, e um motivo para escrever este post: a carreira, sim, continua. Desta maneira, os planos de voltar a Ribeirão no final de semana permanecem em suspenso e a agenda... Agenda? O que é isso mesmo? E o friozinho na barriga tá ali, ó... E a vontade de continuar, idem. E que eles não se percam jamais! Boa sexta-feira!

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Interrogação

Dizem que tudo o que vem em demasia não é bom. Beber demais, comer demais, pensar demais, sucesso demais, se exercitar demais, vaidade demais, desejo demais. Mas aí vieram os gregos e depois a igreja católica e nos puxaram a rédea para a temperança: nem muito nem pouco sal. E aí lá vem os médicos e indicam o máximo de 5g diárias deste querido elemento da nossa cozinha. Mas... Um bacalhau bem salgadinho é muito bom, não é? E um rodízio - seja de carne, seja de pizza ou comida japonesa? Me rendi a esse excesso hoje e ainda não me arrependi. Mas... e sentir demais? Isso é um problema? Ou o problema é falar o que se sente demais? Eu acho que descobri que falo muito. E que também sinto demais. Mas se em boca fechada não entra mosquito... E a dualidade é tão gritante, que a palavra "demais" toma imagens tanto pejorativa como positiva: por exemplo um namorado que diz para a namorada depois de um ataque de ciúme: "Chega! Isso já é demais!". Agora observe outro sentido da palavra em questão: "Ela é demais!", diz o namorado apaixonado para os amigos sobre sua querida donzela. Sendo assim, não chegamos a conclusão alguma sobre a personalidade dessa tal demasia. Só sobre a crueldade da temperança... Ser feliz demais é bom, só não é bom para os invejosos de plantão... Amar demais e ser correspondido é ótimo, disso ninguém duvida... Ou algum chato vai lá puxar a orelha do casal e dizer: "Pessoal, amem menos!"? Apesar de que tem chato pra tudo nesse mundo... E o pior é que falam. E muitas vezes a gente ouve. Outras vezes a gente teria que ouvir, mas entra por aqui e sai por ali... É... Enquanto isso, o anjinho e o diabinho duelam noite e dia e o placar segue empatado. Ufa! Empate é equilíbrio! Tá feliz, Platão? Basta ser esperto o bastante para saber qual ouvir e quando ouvir. Ó dúvida, ó céus! Ia escrever "boa semana", já que o feriado teve cara de domingo, mas me resta apenas te desejar uma boa quinta-feira! E cuidado com o sal, hein...

domingo, 9 de outubro de 2011

Interpretação

A vida não é exata. Não se tem um gabarito com as respostas corretas. Não se respeita um roteiro com sequência de cenas. Não existe manual nem unidade. A verdade é que é tudo muito relativo e uma palavra, um insignificante gesto ou um pequeno ato podem ocasionar um terremoto do outro lado do mundo. Tudo depende da interpretação nesta nossa teoria do caos. Eu sou responsável pelo o que falo e faço, mas você é quem isso interpreta. E como a humanidade tem problema de interpretação...! Desta maneira, fofocas tomam face de realidade, amores são impossíveis, amizades termitentes, uniões desfeitas, guerras são travadas, famílias despedaçadas. Mas a gente não pode desistir. A gente tem que se fazer entender. A gente tem que procurar compreender. A gente tem que não só falar, como também sentir e fazer. E surpresas funcionam como o bater de asas de uma borboleta lá de longe, trazendo um vendaval para a parte de cá do planeta. Mas o vendaval vai embora e por aqui ficam as mudanças, que transformam nossa história e nossa geografia e ocasionam uma imediata reação química. E assim a gente evolui e percebe como muitas vezes a gente é bobo. Percebe como a gente perde tempo à toa e como mágoa não funciona pra nada. E digo isso simplesmente porque o relógio não pára. Não pára, não pára, não pára não... Mas assim a gente vai, pouco a pouco, batendo cabeça e chorando aqui para gargalhar ali, buscando calcular o incalculável e completando as linhas tão tortas e inteligíveis desta matéria obrigatória chamada "vida", onde os melhores alunos são aqueles capazes de sentir o vento e entender que tudo está sempre em movimento. Parar é para os fracos. E a caminhada é longa... Boa semana!

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Armas e Rosas

O motivo do meu sono prematuro de hoje foi o tardio show do Guns N' Roses de ontem. A expectativa era grande de rever um ídolo que não é originariamente meu, mas se tornou um dos por ser originariamente da minha irmã mais velha, afinal de contas, nasci apenas um ano antes do lançamento de seu primeiro álbum. Confesso que critiquei, taquei pedras e me decepcionei por ver o que os anos fizeram com Axl Rose. Roubaram a potência inconfundível de sua voz... a forma daquele corpo antes esbelto e todo tatuado, que cabia perfeitamente num shortinho branco, mas ontem coberto por uma capa que mais o fazia parecia o Inspetor Bugiganga... o fizeram perder o rebolado e dançar como tiozão - o que ele hoje, querendo a gente ou não, o é... curiosamente o fizeram perder a sobrancelha (por que Axl Rose está sem sobrancelha?)... levaram a viçosidade de suas inconfundíveis madeixas... e fizeram-nos sentir saudades de tempos que jamais voltarão. Mas o que os anos não fizeram foi apagar a áurea da banda que fora considerada os Rolling Stones de uma nova década e nem minhas lembranças dos pôsters grudados na parede do quarto, dos clips da MTV e das fitas cassetes - todas! - guardadas na gaveta. Me arrependi por não ter feito parte daquela ensopada multidão... Entra ano, sai ano, mas o arrepio continua ali, mesmo com um acorde desafinado, um rebolado enferrujado e um cabelo ressecado, acompanhando aquelas músicas que eu ainda tão criança já cantava: November Rain, Welcome To The Jungle, Paradise City, You Could Be Mine, Patience... Tenho ciúme das lembranças alheias, porque cresci querendo que Guns fosse só parte das minhas. Mas não tem como negar, os caras serão para sempre, muito "foda"!

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Começar de novo!

Novo mês! Nova semana. Banho de sal grosso. Nova cor de esmalte. Novas expectativas e muita coisa jogada no lixo. A gente acha que aprendeu, promete que não vai fazer mais, promete que vai fazer menos, falar menos, mas de repente, a quantidade transborda e a consciência pesa a ponto de até seu horóscopo te dar bronca e dizer, coincidentemente, que: "Preste atenção aos sinais de seu corpo indicando o que não está bem. Tente descansar mais e se alimentar melhor.". Não me interessa se o CQC começou sem o Rafinha Bastos, nem se Julia Petit está dando dicas preciosas de maquilagem. Eu escolhi me recolher no meu quarto, voltar ao meu blog que estava às moscas, colocar os tantos pensamentos que se esbarram, cruzam, brigam e se acasalam no papel, retomar à leitura abandonada do retrato de Dorian Gray e dormir cedo, do jeitinho que meus olhos pedem. Escolhi também hoje sentar no banco da igreja, mesmo que eu não tenha religião, e agradecer por tudo e pedir por um pouco mais. Mas a agenda da semana já começou diferente e faltam três meses para o final do ano. É hora de pensar mais, falar menos e fazer o necessário. E o que não presta, a gente deixa pra trás. Já o ouro, a gente não entrega jamais! Bom mês de outubro! A gente se vê por aqui!

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Depois de um final de semana

Eu deveria estar com sono. A noite passada demorou a engatar e os pensamentos não me deixaram em paz tão cedo... Observei o relógio rodando e olhe ele agora lá de novo, com o compromisso de me acordar antes das sete da manhã para um teste para uma marca de cosméticos. Acabei ficando para o teste de sábado - que acredito ter sido uma sábia escolha - e consegui chegar em Ribeirão às 18:30h. Vinte e quatro horas depois, não consegui fazer metade do que pretendia, mas fiz o primordial. Dei três beijos longos em quem temo não mais ver e segurei o choro acreditando que outros beijos virão. Outros beijos sim, virão. E ao chegar novamente nessa selva que tanto amo, senti um frio na barriga que há algum tempo não sentia. E a mistura de medo, saudade, segurança, insegurança, esperança, ansiedade e excitação retorna, numa alternância inclassificável entre Cisne Negro e Cisne Branco. No entanto o importante é, mesmo com a cor indefinida, continuar nadando nessas águas que hoje gentilmente, eu chamo de "meu lago" mas que de calmo, tem absolutamente nada... Boa semana!

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Estou de volta!

Depois de um e-mail preocupado, perguntando se eu tinha desistido dessa vida, passei a tarde me culpando por ter desaparecido tanto tempo sem deixar vestígios... Mas estou vivinha da silva, pessoal! Só me ausentei por falta de causos, dramas e aventuras - profissionais, diga-se de passagem - e porque contar o bê-a-bá, convenhamos, não dá mais! Mas hoje foi um daqueles dias dignos de postagem no blog! Desde a semana passada estava agendada esta minha gravação de hoje através de um daqueles testes que você faz, vai bem e não sabe porque jamais foi chamada. Mas como o "jamais" nem sempre tem significado infinito, ressalto aqui que todo teste vale a pena (viu, senhores jovens atores?)! Sendo assim, depois de horas do Nextel fora do ar ontem à noite, programei meu Ching-Ling quase esquecido para despertar sofrivelmente hoje às 5:20h da matina, para que às 7h eu já estivesse em Santo Amaro. Fui dormir um pouco triste por saber que as horas de sono seriam curtas, mas, ossos do ofício! De repente... escuto barulhos de carro e uma luminosidade entra pelas frestas da janela. Acordo com um susto, olho no relógio e vejo: 6:25h! De sobressalto levantei, tive dez minutos para tomar uma chuveirada, dar uma pseudo arrumada no cabelo, colocar uma banana na mochila e pegar o primeiro táxi que passava na rua. Nem de reclamar tive tempo! Maldito Ching-Ling! Desta maneira, meu ritual matinal não foi cumprido, não tomei um banho de verdade, não lavei meu cabelo (sorte que havia lavado na noite anterior), não fiz meu café com leite, não comi meu pão na chapa com requeijão, não arrumei a cama e nem pendurei a toalha, que ficou molhada em cima da cama. Mas, às 7:05h estava onde devia estar. E antes das 9h, já estavávamos numa linda casa na Granja Viana para a gravação. Ninja, não? No trajeto, leram minha mão e associando com meu signo, tive revelações de passado, presente e futuro, e fiquei com medo dessas coisas holísticas e esperançosa com meu futuro breve. E, tivemos um dia de família feliz! Desta vez ganhei filhos de sete e nove anos e uma enteada. Enteada? Sim, porque tinha de haver uma adolescente na filmagem, e convenhamos que uma jovem de 14 anos mais alta que eu não pode ser minha filha, né? Assim, criamos a história de que ela era filha do primeiro casamento do meu marido, o que não fez a menor diferença para a gravação e só rendeu boas risadas. Uma família de margarina! Às 18:30h eu já estava liberada, fazia frio e de lambuja, descolei uma carona que me deixou na porta de casa. Que delícia! E assim me despeço, desejando uma ótima quinta-feira e um ótimo descanso a todos aqueles que desligam seus cansados computadores e rumam para debaixo dos saudosos edredons. Volto para Ribeirão neste final de semana por um motivo que não me deixa feliz e justamente por isso, me ligaram para um bom teste em pleno sábado... Até a próxima!

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Onde Judas perdeu as botas?

Finalmente hoje descobri, quando passei perto das botas que ele um dia perdeu. O despertador tocou e eu respirei fundo já prevendo toda a função para completar os meus dois testes da agenda. Não foi fácil! Uma hora e quinze para chegar na primeira produtora antes do almoço. Mais umas duas horas de espera, umas páginas lidas do meu livro, uma suspirada aqui, uma olhada no relógio ali, fome, muita fome. Depois, lá se foram mais três ônibus para chegar onde Judas resolveu ficar descalço. "Pensa na praia, amiga!", me encorajavam citando o final de semana delicioso que teremos... Faltando meia hora para o segundo teste terminar, lá estava eu preenchendo meu pré-contrato e segurando minha claquete. Outro ônibus para voltar, uma caminhada... Ufa. Home, sweet home! Amanhã tenho mais um, dois textos para ainda decorar e uma noite inteira para ser bem dormida. Mas sabe quando já começa a faltar um pouco de paciência? Teste aqui, teste acolá... Pouco trabalho, grana curta e gastos exorbitantes... Andei perdendo o sono por esses dias... Mas ainda bem que temos a sexta-feira! Bom final de semana!

domingo, 11 de setembro de 2011

Ser ou não ser?

Às vezes me pergunto se é pretensão minha ou se minha insanidade é verdadeira. Se é que ser louco é alguma vantagem nessa altura do campeonato... Porque não é normal se ter cinco dias da semana completamente livres, não se matar por isso e depois se deliciar com estudos, exercícios, ensaios e gravação de cena dois finais de semana ininterruptamente, desde o despertar até às 21h... É? Também não pode ser normal entrar num estado depressivo e ser capaz de derramar lágrimas salgadas frente à câmera pelo simples escutar de uma música triste na viagem do ônibus. Pode? E por acaso é normal se emocionar ao simplesmente colocar a mão e sentir o coração de um parceiro de cena que você tenha visto duas vezes em sua vida? E dar risada e falar sobre sei lá - água! - depois da palavra mágica "corta!", quando dois segundos atrás chorávamos gravando sobre sei lá, o fogo? Ou então... é normal assistir um dvd, tirar a legenda para degustar cada frase do roteiro original e depois querer fazer com que o mundo, através de um simples post no Facebook, deguste também este breve diálogo que de repente só eu acho tão doce? Será? E você acha normal recusar um convite de um encontro, um bar ou um simples temaki num sábado à noite simplesmente para não se perder a carga emotiva conquistada nas últimas horas, para que ela seja aplicada nas próximas do dia seguinte? Não sei... Eu acho que não. E isso se chama preparação do ator. E ser ator, meu amigo, não tem nada de normal... E como já dizia o bom e velho Hamlet, estar preparado é tudo. E ainda bem que tem louco pra tudo nesse mundo...

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Outdoor do Instituto Ronaldo Leite em Franca - SP

Semana morta

Depois de quebrar a semana ao meio, passou o feriado sobre o qual os livros de história ocultam a verdade, que D. Pedro I estava é montado em uma mula e não em seu majestoso cavalo branco... Fofocas à parte, resolvi aceitar o fato de meu telefone não tocar e minha agenda estar vazia por esses dias... Eu juro que não me importei, especialmente depois de sete dias dirigindo em alta velocidade sem parar para descanso na semana passada. Assim, hoje acordei sem despertador, escutei todas as músicas que me apeteciam após o almoço, deitada despretenciosamente na parte da minha cama que recebia um sol tímido vindo lá de fora, esticando a preguiça, organizando os pensamentos, revendo vontades e compreendendo que nem sempre a culpa é minha. Muitas coisas simplesmente são, outras não são pra ser e algumas dependem de nós. E é com essas que agora eu vou me preocupar. Não quis correr porque resolvi ir com calma. Andei no parque. Tive minutos longos para por o pé no chão e rever a poesia da vida e apagar os versos onde é prosa. Acaba nesse final de semana o workshop com Vinicius Coimbra e esperamos, nós atores, que setembro realmente comece. Me prometeram que duas coisas muito boas me acontecerão até o final do ano. Sem saber a origem e veracidade dessa bola de cristal, me despeço, desejando uma ótima sexta-feira e que os bons ventos tragam logo todo o frescor da primavera.

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Vídeo Centro Universitário Uniseb Interativo

Posso respirar?

E já desceu a avalanche, cessou o terremoto, a maré baixou e eu agora posso respirar. Que semana! Tudo começou com a Marisa na segunda-feira, que emendamos com um pulinho de três dias em Fortaleza, aí quando achei que pudesse tomar um fôlego na sexta e só aproveitar a visita de mamãe na capital um teste relâmpago apareceu, seguido de um congestionamento na Marginal, um jantar até a madrugada, um workshop sábado e sua segunda parte hoje, no domingo. Ufa! Com isso, perdi um encontro inédito de toda a turma da faculdade, horas e horas de sono e uma viagem ao estado do RJ para visitar - junto com a família - minha irmã aniversariante e com eles fazer trilhas, comer churrasco, sentir o frio das montanhas e beber bons vinhos. Mas com isso, ganhei uma das semanas mais produtivas do ano, uma viagem para uma terra antes desconhecida, dois trabalhos no currículo, novos contatos e novos amigos, mais uma gravação de monólogo, dicas preciosas de quem sabe do que está falando, elogios vindos do mesmo e a certeza de que o caminho é esse. Boa semana e bons sonhos, porque se eles forem bons, a caminhada será ainda melhor! Pode confiar!

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Gravação comercial Beach Park




Choque térmico

Quando descemos hoje do avião, fomos recebidos em São Paulo por um frio que os cearenses provavelmente não conhecem... Agora não é ainda nem uma hora da manhã, mas minhas piscadas já demoram um pouco mais do que o normal, já que desde segunda-feira a montanha-russa não pára. Mas agora estou já no aconchego do meu lar, com um bronzeado que - confesso! -não saiu comigo de São Paulo rumo à Fortaleza... Posso já começar a chorar e dizer que quero voltar? Acordar às três e meia da manhã na quarta-feira não foi nada agradável... Mas lá o amanhecer é prematuro e cinco e meia o céu já está azul. E cada minuto de luz é essencial numa gravação, que se seguiu até às 18h... Mas que dia maravilhoso! E que cordialidade do pessoal da produção! E que família linda formávamos! Que trabalho delicioso! Ainda deu tempo de descolar um mergulho no mar, uma descida no toboágua, alguns contatos, um camarãozinho - sem tempero, diga-se de passagem - na orla da praia, uma cervejinha a R$3,00 - que o garçom tentou inflacionar para R$4,00 na hora da conta -, baião-de-dois no almoço e uma tapioca no último minuto do café da manhã. Já as risadas, foram muitas... O vôo atrasou e me fez perder os dois testes que me aguardavam por aqui... Mas a semana já valeu a pena e fechei agosto e comecei setembro com chave de ouro! Assim, abafo o latido do cachorro louco e tomo fôlego para a reta final de 2011. O fim de semana promete com o workshop do diretor da Globo Vinicius Coimbra e ainda tenho um monólogo cabeludo para estudar. Não serei hoje poetisa e nem vou rimar. Minhas palavras querem mais é dormir. E vamos dormir sorrindo. Bom final de semana!

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Praia do Futuro: o que o futuro nos guarda?


Piscina com ondas

Tem gente dizendo por aí que desisti da carreira... Tem gente achando que eu morri. Mas não! Como uma fênix renasço das cinzas e alço vôos para o além-mar. Estava tudo tão tranquilo, beirando o marasmo, um quase suicídio, quando de repente, a avalanche despenca lá de cima e muda todo o roteiro ainda não escrito desses próximos dias. O mês que nem começou já começou movimentado! Depois de abdicar de uma sexta-feira agitada e permanecer o domingo com a tv desligada, estudei as nove páginas do roteiro e gravei o vídeo de treinamento de uma grande loja de departamentos na segunda-feira. O despertador tocou às 6h para que às 9h, eu estivesse linda e bela no Shopping Itaquera. Mais um território longínquo desbravado! Esta bandeirante que vos fala um dia vai merecer nome de rua... E começando às 9h, terminamos quando já passava de 22:30h. Todos exaustos mas com um bom trabalho no currículo! Assim, depois de receber como agradecimento o brinco incrível que usei durante a gravação e o adjetivo "excepcional", voltei feliz e moribunda para casa quando já passava de meia-noite e meia e ainda tinha uma mala para arrumar para embarcar no aeroporto de Guarulhos hoje, terça-feira, às 11:05h, para Fortaleza. E nessa terra quente aqui estou, escrevendo de um quarto no décimo andar de um hotel, meu marido no primeiro andar, minha filha no nono e meu moleque no quarto. Já venho paquerando minha cama há alguns minutos, já que ela será abandonada antes das quatro da manhã quando impiedosamente nos buscarão para gravar a propaganda de um famoso parque aquático. Família feliz, depois de um vôo de três horas, de uma tarde na Praia do Futuro, de alguma caminhada, de muitas risadas e um pouco de piscina. Amanhã tem muito mais! E continuo desbravando o Ceará até quinta-feira, agradecendo cada minuto por um dia ter desistido de ser trainee de alguma multinacional... Boa noite!

terça-feira, 23 de agosto de 2011

E daí?

A gente fala que vai parar. A gente faz planos pra mudar. Aí a gente bate no peito e assume que é assim e que vai ser sempre assim. A gente fala que é o que não é, a gente quer e diz que não, diz "não" e faz sim. A gente é uma mistura de incongruências num quadrilátero equilátero. A gente roda a roda e acaba encurralado num ângulo agudo e de repente se lembra de que círculo não tem ângulo! O que a gente é? A gente muda a trilha sonora e vê o mundo de outra forma, nem quadrado, nem redondo. A gente se diz casca grossa mas derrete mais rápido que manteiga. A gente vende a alma ao diabo, ele compra barato mas sai caro, porque a gente é uma mistura de céu e inferno que nem o Beuzebu pode entender! E daí se eu cometer os mesmos erros que jurei há pouco tempo que jamais cometeria novamente? Mas tá tudo bem, mesmo porque depois a gente se arrepende... E daí se a gente gargalha querendo chorar e se chora depois de rir? Aí a gente canta um sertanejo, aumentando meu desejo e se descobre romântica e acha que o mundo é romântico e que uma hora vai parar de girar... Mas e se não der certo? Aí tem sempre o plano B. Ou o C... E uma infinidade de outras letras e outros alfabetos. E também tem aquela música: "E daí? Se eu quiser farrear, tomar todas num bar, sair pra namorar, o que é que tem?"... Eles falam que o que vai volta, mas às vezes o que fica não vai, ou o que foi não voltou e a verdade é que eu não sou de ninguém. Sabe o que que é? É que a gente é tudo e não sabe de nada. Que tem louco pra tudo e que só os loucos sabem. Enfim... Não existe conclusão nem final feliz. Mas enquanto tentamos achá-los, inventamos. Afinal, viver é isso. E a gente pode ser tanta coisa...

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Histórias...

Ai se não fossem as histórias... A vida seria sem graça, a imaginação seria rasa, a infância uma mera lembrança... Somos o que somos porque vivemos as histórias que lembramos, porque temos culpa na história que contamos, porque história é adição de fato mais sensação. E se as pessoas que recheiam nossas páginas desse livro chamado vida são personagens especiais, um simples passeio no parque vira uma lendária aventura na selva, um dia nublado de aula dá margens a um conto de terror no castelo do Drácula e um diálogo o início de um amor ou da amizade, sabendo-se lá em qual ponto eles podem se cruzar... Uma palavra mal dita pode ser hoje um trauma engraçado, uma piada inocente uma facada bem dada, um beijo ardente um romance mal contado... Reuni neste final de semana a turma da 8a série. E onze anos se passaram desde que abandonei o colégio católico para me embrenhar num glamouroso ensino médio - que a gente chamava naquela época de colegial... Que delícia! Poesia nem foto nenhuma traduz o reencontro. Todo mundo igual e todo mundo tão diferente... Um churrasco para além da carne, dos pães, das muitas garrafas, do vinagrete. Aqui ainda bate um coração Marista!

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Quem matou Norma?

De vítima já chega a Norma...
Como ontem os astros ainda não tinham aliviado minha barra, resolvi dormir antes de meia-noite e meia. Eu estava com sono devido à noite de domingo pouco dormida e despertada com mais uma boa notícia de "estar editada" em plena segundona e o dia de hoje prometia... Luz apagada. Roupa de cama cheirosa. Meus travesseiros. Mas... Meus pensamentos! Rola daqui, rola dali. Levantei para ir ao banheiro. Uma. Duas. Três vezes. Carneiros, elefantes, girafas... Contei toda a Arca de Noé e depois... Fome. Mandei um e-mail urgente para a produtora do teste da manhã e pedi que me aliviasse uma hora. Consegui embalar quando já passavam das três... Terça-feira. Dois ônibus e uma hora e quarenta depois, cheguei ao SENAC para um teste de um curta que muito me interessa: mortos-vivos. Certa espera, uma improvisação de uma carta de suicídio, muitas lágrimas e já passava das 13:30h. Um outro teste me esperava lá no Alto da Lapa. Uma trufa. Um ônibus. Uma caminhada. Outro ônibus. Calor. Muito calor. Restaurante. Outro ônibus. Alguns clicks e cinco e meia chegava no meu lar doce lar. Como podem imaginar, meu humor não estava dos melhores e troquei a corrida pelo sofá. Fiz guacamole - minha nova especialidade -, recebi via correio o catálogo lindo da Hipermoda, neguei um atraente convite de churrasco, assisti ao premiado Inverno da Alma e resolvi escrever, para esclarecer que não, não pulei da janela, nem fugi de barco, não matei ninguém e enquanto eu podia tá roubando, continuo fazendo meu trabalho honesto. Já tenho na agenda de amanhã um daqueles testes que já fazem valer o dia e estou numa DR séria com os astros. Três semanas na pele de vítima não dá. Boa quarta-feira! Eu confesso que gostaria muito, muito mesmo de gritar gol amanhã. Será?

domingo, 14 de agosto de 2011

A vítima

Detesto as vítimas quando elas respeitam os seus carrascos. Neste caso, estou aqui para gritar meu ódio ao mundo e aos homens - mas fiquem tranquilos, que ele é passageiro. Já completo duas semanas no mais completo inferno astral e odeio também os astros por isso. Fazer papel de vítima não é comigo, mas nesta noite, estou sem saída. Tudo parece errado... Meu pensar, meu agir, meu sonhar. Mas é quando me lembro de que o inferno são os outros e tiro o peso das costas. Mas se eles ou eu, o negócio é que a coisa anda braba. Que coisa? Ah... tudo. Ou nada. Sinto muito, mas não tem como manter o pensamento positivo 24h por dia, senão seríamos todos monges tibetanos. E então bate aquela solidão, mesmo podendo você estar cercada de pessoas e risadas e convites vip. A lembrança do alguém passando a mão na sua cabeça e te dando um beijo provando que tudo vai ficar bem bate à porta e aumenta o significado de "estar sozinha". Querer não é poder, senão eu poderia tanta coisa... Amanhã completo dezessete anos sem motivo para comemorar o Dia dos Pais e penso no que isso me afetou. As raízes são profundas e gostaria de uma análise gratuita, por favor. Estou à procura de feedbacks. Não de sugestões, nem de críticas, obrigada! Mas preciso de respostas e conclusões do que anda por aí inconclusivo. Não gosto de lacunas e quero preenchê-las com o conteúdo mais verdadeiro que tiver. Banho de sal grosso não adiantou. Eu sei do que preciso. E não preciso falar. Obrigada por lerem e de algum modo compartilhar. Hoje sou a vítima. E este não é meu papel preferido. Por gentileza, mudemos a página deste roteiro! Bom domingo!

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Um post obscuro

E a partida continua... Ora esquenta, ora esfria. A torcida se levanta depois volta a sentar. Bocejos são percebidos aqui e acolá. Mas uma corrente de fé faz a movimentação aumentar. Chute daqui, chute de lá. Na trave! De novo, na trave. Chute na trave não conta pontuação no campeonato. Dá emoção, mas até que ponto emoção enche barriga? Me lembrei que não, emoção não enche barriga. E não paga aluguel. Nem fatura de cartão. Sabe o que ela enche? Enche o saco. E os pensamentos positivos que minha irmã tanto me falou para carregar parecem não ter adiantado muita coisa. Hoje desejei ter a turma do escritório e trabalhar de saia lápis e blazer. Eu quero gol. Mas golaço, sabe? Eu não duvido da garra do jogador. Eu temo é o apito do juiz. E as regras desse esporte. Alguém, por favor, me dite as regras. No meu manual hoje, além de paciência, não tem nada mais. Aliás, acho que hoje, nem precisa de mais. Ela me é suficiente. Não sei amanhã... Amanhã é outra história. Outro chute. Outra esperança de gol. Ele tá entalado na garganta, querendo gritar! Ninguém disse que seria fácil jogar... Boa quarta-feira!

sábado, 6 de agosto de 2011

Sétimo dia

E na luta contra o luto, não falar oculta verdades, porque a verdade dói. A cada vez que escutava o nome da boca do bom padre a realidade dava suas caras e desnudava aquilo que por um instante parecia distante, como uma ausência efêmera que terminaria como um alegre retorno de viagem. Mas de efêmero, só a vida. O resto é saudade.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Sal à agosto

O mês começou gelado. Mas caí da cama conforme o relógio despertou e tinha pela frente um dia quente com dois testes além dos afazeres diários e aqueles domésticos. Quando cheguei ao primeiro, exatamente às 9:37h com book na mão, tive a notícia de que sentiam muito, mas as meninas já haviam sido escolhidas. O teste acabara às 9:30h. Mas... "Têm que chegar na hora, meninas!", disseram para mim e a outras na mesma situação. Retruquei, delicadamente, mas retruquei: "É que o horário é sempre das 9 às 9:30h, mas o casting todas as vezes começou depois das 10h. Achei que poderia esperar menos dessa vez...". Respirei. Rabinho entre as pernas, book de volta na bolsa. Clamei por vingança. A minha salvação é que eu tinha um segundo teste, senão... A partir daquele momento até entrar no estúdio do próximo, tudo me irritava. O vento, os fios de cabelo que com o vento pinicavam meu rosto, a tela touch screen do meu Ipod que não obedecia aos meus comandos, os homens na rua, os assobios idiotas dos homens idiotas na rua, andar, os meus próprios passsos me irritavam! E jurei que esta marca "x" ainda vai implorar para que eu seja sua garota-propaganda quando estiver em um papel relevante na tv brasileira... Mas fiz um bom segundo teste. Quando pediram para falar tal "textinho" para a câmera, fui indagada: "Você é apresentadora também?". Sim, nesta vida fazemos de quase tudo... "Só do jeito que olham para a câmera a gente já sabe.". Ponto pra mim? Fui embora com o bom e velho "boa sorte!" e no caminho para o terceiro ônibus do dia antes das onze da manhã, uma chamada no rádio. Problemas com depósito de cachê. É cachê atrasado, é desconto no cachê atrasado, explicações mal dadas, um pré-stress que quase levou a um rompimento de contrato, uma conversa, muita calma nessa hora, tudo certo! Vim pelo caminho desejando mais do que isso. Desejando tanto que nem sei o quê... Assisti agora à noite, pela terceira, quarta, sei lá, quinta vez, ao À Procura da Felicidade e desejei, mais uma vez, ter uma história de sucesso depois de tanto camelar, assim como teve Chris Gardner. Será que é pedir muito? Tentando fugir no inferno astral, quis inovar para combinar com os dias de um dígito do mês de agosto e comprei arroz vermelho e abacate para fazer guacamole, que somados ao meu frango ao curry, dão um up na já cansada mão da cozinheira, aliados ainda a um novo clássico de cabeceira e maçã com canela ao forno depois do jantar. Amanhã não tenho teste. O mês além de gelado, começou também salgado...

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Nos finalmentes de Madame Bovary...

"[...] e, realçando com isso o orgulho, nunca sentiu tanta estima por si mesma e tanto desprezo pelos outros. Qualquer coisa de belicoso a dominava. Queria bater nos homens, cuspir-lhes na cara, triturá-los a todos; e continuava a caminhar rapidamente, pálida, trêmula, enraivecida, perscrutando com olhos rasos de água o horizonte vazio, e como que se deleitando no ódio que a sufocava."

domingo, 31 de julho de 2011

Prazer a R$5,40

Levantei da cama às 14h. Foi quando me lembrei de que a vida continua... O tempo nublado me trouxe uma maior sensação de nostalgia e despertou a vontade de nada e a preguiça de tudo. Saí do sofá quando já passavam das 16h para fazer meu almoço - uma nova e prática receita de frango ao curry. Voltei ao lugar de origem. Zapeia daqui, zapeia dali. A internet hoje era a conexão com o mundo, mas chats preguiçosos não se desenvolviam e planos foram desfeitos. Quando escureceu, um desejo incontrolável me fez tirar o pijama, vestir a roupa mais fácil do armário e ir adquirir secretamente, como se fosse comprar alguns gramas de algo ilícito, um sundae de doce-de-leite. Durante sete minutos degustei do prazer mais sublime por apenas R$5,40. Mas como tudo na vida, durou pouco e a consciência pesou. Cada ato traz consequências, certo? Tomei um banho como que para tirar a culpa e lavar as dúvidas para as quais nunca teremos respostas. Ainda carrego nas unhas os resquícios de tinta da gravação de ontem e a incredulidade das coisas. Um domingo com cara de domingo. Mas amanhã é outro dia, de um outro mês. Boa semana!

Propaganda SP Market



Gravação vídeo institucional Centro Universitário UNISEB Interativo